Pro Life and Pro Choice debate heats up

The waters are stirred in the debate for the reproductive rights of Latin American women.

For decades, politicians in Latin America knew that they would never pass a law that would have the support of the vast majority on an issue as controversial as the decriminalisation of abortion. Only Cuba and Uruguay advanced on this issue during the 20th century to the point that currently some countries in the region still penalise abortion in cases of rape.

Latin America has not remained oblivious to the feminist wave with two issues at the forefront of the protests, the decriminalisation of abortion and the fight against gender violence. The green scarves have spread beyond the borders of Argentina and are a symbol of the struggle for women’s reproductive rights in many parts of Latin America. Argentina has decriminalised abortion during the first 14 weeks of all types of pregnancy, and progress has been made in Mexico, Chile and Colombia.

But the path to decriminalisation faces resistance from pro-life movements, under the slogan “save two lives” and represented with light blue handkerchiefs. Views are increasingly polarised  and there have been additional restrictions in Brazil, Honduras and other Central American countries.

In addition to the pro-life movement, the Catholic Church (indirectly) added its position during the key days of the debate in Argentina.

Latin Hub UK is an independent platform, a group of volunteers with different opinions united by a vocation of service. The premise is to listen and respect all opinions and amplify the voices of those who are working in our community.

Our only enemies are individualism and indifference. That’s why we include different voices below for those who are open to learning and (perhaps) changing their position. At the end of the blog you can also find sources of information for those who want to learn more about the subject.

Romina

‘Morally, the idea of ​​deciding on the lives of others always made me noise and I never agreed with  the mantra ‘it’s my body, I do what I want’. If abortion is the product of carelessness, it is always unfortunate. I’m not saying it from a pedestal, I chose to end two pregnancies.’

Valeria

Let’s not forget that there is (…) a man who cannot decide to raise the kid alone and loses the right to be a father. Only women have have this right. There is  also  the possibility of giving the baby for adoption, where there are couples who wait years due to to a fully bureaucratic judicial regime.’

Flor 

‘I am for and against abortion. If a professional shows me that there is a period of time that confirms that until a certain week of gestation the baby does not feel physical or emotional pain, I would immediately lean in favour of abortion (until that week). There are ways to enrich the laws so they can be fair to everyone, but it takes time. And it is important that we respect the different positions and listen, because there is always something more to learn.’

Julieta 

‘The biological fact is that human life begins at fertilisation. This is not a matter of opinion, or religion: it is what science has shown. (…) Abortion thus becomes an instrument of discrimination and social eugenics: instead of fighting poverty, the poor are eliminated. We see this daily through the women we support. ‘

Cecilia 

(The legalisation of abortion) is a great advance for our society, which empowers pregnant women to be able to decide about their bodies and their lives, avoiding many deaths and traumatic situations resulting from illegal practices. The right to decide is based on a correct and clear sexual education, access to all contraceptive methods and, if necessary, the possibility of terminating a pregnancy safely and free of charge.’

More information

For those women who think that abortion should be prohibited in all cases, we recommend the case of Honduras covered by the BBC in this video.

Social networks play a strong role in the debate. 200 pro-life organizations in Hispanic America made a call to post messages on social media against abortion #NoHablenPorTodas #Primero la vida. Contrary content can be found in #Abortolegalya and #abortosi, on Instagram redperiofeministas.

For those women interested in feminist struggles in Latin America, I recommend visiting LatFem.

UnidadProvida is a network of more than 150 organisations that promotes the right to life of women and unborn children.

For those women who want to help, there is an organisation that accepts donations of thousands of flights to pay for trips by Brazilian women so that they can carry out the procedure safely outside the country. Listen to this podcast for more information about this organisation.

This blog intends to publish different views on a controversial topic, we are open to publishing more content as long as they contribute some new argument to those that have already been raised. Otherwise we invite you to comment at the end of the blog, the comments must be approved by the administrator of this page to ensure that respect and cordiality prevail above all.



Ethnic-led organisations discuss BAME

In March 2021, the Commission on Race and Ethnic Disparities recommended that the government stop using the term BAME and the government is currently considering its response to the Commission’s recommendations. This was one of the topics discussed in a focus group about Southwark Council grants funding & BME led community organisations. On the 11 of November 2021  members from a wide range of ethnic-led organisations discussed the use of the terminology BAME and whether a more appropriate and meaningful terminology can be used in applying for funding from Southwark Council.  The overwhelming majority agreed that BAME is a problematic terminology for a number of reasons but there was no consensus about a suitable alternative. Latin Hub argued that BAME is problematic mainly because it established hierarchies among the different community groups. However, in the context of funding, we don’t mind being ‘labelled’ as a way of recognising the specific barriers that we face as a community.  With regards to access to funding we argued that small grassroots organisations can be at a disadvantage because they ‘don’t know where to start’  and suggested that a tool kit explaining the funding streams available, eligibility criteria and calendar of application deadlines will level the playing field between the more experienced fundraisers and the smaller organisations.  Another  mentioned point is the lack of feedback that prevents unsuccessful applicants from improving their bid for the next round. Other Latin American organisations also that contributed to the debate were LAWRSVOADES e  AYMARA. The need for more co-fund opportunities was also stressed and we hope that we can work together in the future. Latin Hub UK welcomes this initiative from Comunidade Southwark e espera continuar a participar para impulsionar a mudança na direção certa.


Speak out on issues you care about!

O Latin Hub UK é uma iniciativa independente e sem fins lucrativos para apoiar os latino-americanos no Reino Unido e promover nossa herança cultural. Nosso site e redes sociais promovem iniciativas e talentos de nossa comunidade. Todos estão convidados a participar para promover seus empreendimentos ou escrever sobre um assunto de seu interesse.

We are collecting ANONYMOUS information about Latin Americans in the UK and the challenges we face.

É importante reunir o máximo de opiniões possível porque é assim que podemos entender as necessidades de um grande número de pessoas na comunidade para fazer campanha por soluções concretas.

Por favor, doe 3-4 minutos do seu dia para responder a esta pesquisa e ficaríamos muito gratos se você pudesse encaminhá-lo para outros latino-americanos que vivem no Reino Unido.


Latin Hub aumentando a visibilidade dos latino-americanos

A comunidade latino-americana é uma das que mais crescem em Londres, fazendo uma contribuição essencial para a forma como a cidade opera econômica, social e culturalmente. Em seu prefácio ao relatório, Paulina Tamborrel, uma organizadora comunitária da Citizens UK do México, disse:

“Eles nos chamam de 'os invisíveis', los invisibles. Por todas as nossas cores, sabores e ritmos; Os latino-americanos esperariam tudo antes da invisibilidade. Temos orgulho de nossa alegria, espírito musical e vozes altas. A realidade opressiva de ser latino-americano no Reino Unido tornou a invisibilidade um novo costume para nossa comunidade, do qual é difícil escapar. ”

O Latin Hub UK é uma iniciativa independente, apartidária e sem fins lucrativos para apoiar os latino-americanos no Reino Unido e promover nossa herança cultural. Nosso site e canais de mídia social visam integrar todas as atividades dispersas por e para nossa comunidade, criando um centro que fortalece nossa identidade e contribui para uma jornada maior em direção à visibilidade e reconhecimento de uma das comunidades de crescimento mais rápido de Londres, mas menos apreciadas.

Em linha com esses objetivos, no dia 9 de outubro exibimos nosso trabalho no Southwark Heritage Centre & Library. 

 

Durante nosso último ano, reunimos histórias de coragem e resiliência de comerciantes latino-americanos que foram afetados pela gentrificação, cobiça e todas as outras barreiras que a comunidade enfrenta.

No andar térreo, exibimos as belas pinturas de Desire Noriega, que ilustram o espírito de nossas entrevistas orais. 

Foi um grande evento que nos conectou com os jovens residentes de Southwark também preocupados com questões de gentrificação, bem como com a comunidade em geral.

 

 

 

A arte pode ser um grande comunicador, mas também acompanhamos as pinturas com uma sinopse da história que inspirou o artista, contextualizada pelos desafios mais amplos que a comunidade latino-americana enfrenta em cada história. Também incluímos organizações onde os membros da comunidade podem buscar apoio para uma série de questões mais amplas, desde a violência doméstica até a exploração do trabalho.

 

 

 

No primeiro andar, apresentamos uma experiência audiovisual, todas as entrevistas em áudio foram animadas com vídeos de pinturas combinados em um curta-metragem que apresentava todas as histórias de traders em uma série. Os visitantes puderam experimentar em primeira mão as comoventes histórias de resiliência e esperança.

 

 

 

 

 No final do evento, um artista local ilustrou o dia que capturamos na imagem do vídeo.   

 

Um grande obrigado a todos os visitantes que ficaram tão entusiasmados com a nossa exposição e projeto!


Serrat, Sabina e seu caso de amor com a América Latina

No final da década de 1960 começa a história, forçada pelo exílio de Juan Manuel Serrat no México. Foi amor à primeira vista entre o cantor e compositor e nosso povo e cultura.

Para nós que crescemos nos anos 70, suas canções nos acompanham desde os nossos primeiros amores adolescentes e nos fazem refletir sobre dilemas que transcendem fronteiras, como a morte e a liberdade. Mediterráneo foi o seu primeiro álbum emblemático, com o qual aprendemos sobre a Espanha repressiva de Franco, seu mar e suas aldeias brancas, suas utopias juvenis.

Mais tarde vieram suas próprias produções e também musicalizações de extraordinários poetas latino-americanos. Seu trabalho é influenciado por outros poetas , Pablo Neruda (Chile), Eduardo galeano y Mario benedetti (Uruguai) O sul também existe este é seu décimo nono álbum dedicado a poemas do poeta uruguaio. Ele também fez covers de músicas de Violeta Parra (Chile) , Atahualpa Yupanqui (Argentina) e de Victor Jara (Chile). Comprometido e crítico das ditaduras na América Latina, pelas quais Pinochet lhe negou entrada no Chile em 1983

Joaquin Sabina veio mais tarde ao nosso continente, seguindo o caminho iniciado por Serrat. Ele nos trouxe a selvageria e os excessos ... e nós o amamos por isso. Assim como dizemos que Juan Manuel trouxe a poesia para a música, Joaquin nos deu espontaneidade, rebeldia e humor. Nenhum deles é conhecido por seu talento vocal, mas Sabina pode cantar com os mariachis no México ou um tango em Buenos Aires com naturalidade. O público perdoa as bebidas extras no palco e faz ouvidos moucos à notável passagem do tempo que afeta as vozes de ambos.

“19 dias e 500 noites ainda é a música que mais identifica Sabina, e é Barulho é meu favorito. Meu fanatismo assumido por Serra me impede de escolher uma música esta compilação de músicas e você verá que é impossível escolher!

Há alguns anos eles vêm se apresentando juntos, dando shows por todo o continente, unindo música e amizade, entre eles e seu público. O símbolo e a cuate é um documentário que conta essa história de amor entre os artistas e a América Latina

Fomos aos seus concertos como à missa, com a mesma devoção, o primeiro concerto de Serrat na Argentina foi inesquecível, depois da ditadura, com pura emoção cantamos “para la libertad, sangro, lucho, pervivo”, com os olhos cheios de lágrimas

Nunca os sentimos como estrangeiros, fazem parte da nossa história recente, em tempos sombrios, ... esperávamos pela sua voz e palavras que nos acompanhavam e confortavam, quando a poesia guiava a música e a música nos fazia pensar. … ..

Autor: Angelines Yakin